Nota de repúdio: Basta de crimes cometidos pela Vale

A Via Campesina Brasil denuncia o violento ataque contra trabalhadores e trabalhadoras rurais do Acampamento sem terra Lagoa Nova Carajás por agentes da empresa de segurança agindo a serviço da mineradora Vale.

Toda solidariedade ao acampamento Lagoa Nova Carajás- Fetraf/PA

Brasil, 22 de junho de 2020.

Os movimentos populares e demais organizações que compõem a Via Campesina Brasil, vem a público denunciar o violento ataque contra trabalhadores e trabalhadoras rurais do Acampamento sem terra Lagoa Nova Carajás, promovido no dia 21 de junho de 2020 por agentes da empresa de segurança PROSEGUR, agindo a serviço da mineradora Vale. O acampamento, onde vivem 248 famílias há 5 anos, é organizado pela Fetraf-PA e está localizado no município de Parauapebas, no estado do Pará.

O fatídico episódio deixou vários trabalhadores e trabalhadoras feridos, incluindo crianças e idosos.

Não podemos permitir que a postura reiterada da Vale de cometer crimes continue impune. Basta de crimes como os praticados pela Vale e suas subsidiária em Mariana e Brumadinho, que vitimaram dezenas de trabalhadores e trabalhadoras.

Não contente com o que já fez no Brasil, a Vale, que se tornou também uma das maiores latifundiárias do sudeste do Pará, continua promovendo atos violentos contra trabalhadores rurais que buscam seus direitos de acesso à terra para produzir e viver com dignidade.

Cobramos ao Governo Federal, ao Estado do Pará e as demais autoridades competentes a efetivação das políticas de reforma agrária, que garanta terra para quem nela trabalha e evite massacres desta natureza.

Em pleno período de pandemia onde a Covid 19 já matou mais de 51 mil pessoas no Brasil e ainda somos obrigados a conviver com insanidades como está. É urgente que a vida seja colocada acima do lucro e reafirmamos que lutar não é crime.

Exigimos que os responsáveis pelo ataque ao acampamento Lagoa Nova Carajás e a Vale sejam responsabilizados e punidos.

#Lutar Não é Crime!

#Reforma Agraria Já!

Via Campesina Brasil

(FOTO: Flávio Tavares/Hoje em Dia)

Conteúdos relacionados
| Publicado 03/07/2020 por Movimento dos Atingidos por Barragens

Trabalhadores conquistam continuidade na isenção da Tarifa Social de Energia

Governo Federal anuncia a prorrogação da Medida Provisória 950/20 por mais 60 dias

| Publicado 11/06/2020

Atingidos distribuem mais de 500 cestas básicas no Amapá



O MAB no Amapá vem organizando as comunidades atingidas e lutando por reconhecimento de direitos e compensações, pelas mortes de peixes consequências dos empreendimentos hidrelétricos no rio Araguari, no município de Ferreira Gomes

| Publicado 11/06/2020

Lutar não é crime: atingidos e atingidas em defesa dos direitos humanos!

Decisão obtida pela Vale determina proibição de manifestações nas vias de acesso à Brumadinho

| Publicado 24/06/2020

Novas medidas de reparação são aprovadas para atingidos pela Vale em Antônio Pereira, MG

Nova auditoria define que ZAS da barragem do Doutor tem uma área maior do que a calculada anteriormente

| Publicado 22/06/2020 por Leonardo Fernandes / Comunicação MAB

Atingidas na Amazônia denunciam ameaças para relatora da ONU

Mary Lawlor, relatora da Organização das Nações Unidas, ouviu defensoras dos direitos humanos militantes do MAB que estão ameaçadas por grandes empreendimentos na Amazônia

| Publicado 26/06/2020

Próximos aos 5 anos do crime no rio Doce, Vale, Samarco e BHP Billiton não reconhecem litoral do ES como atingido

Empresas criminosas afirmam, em documento, que não se sabe ainda se os territórios do estado foram realmente atingidos