Ato em defesa da Petrobrás reúne 10 mil no Rio de Janeiro

A multidão caminhou pelas ruas do centro do Rio de Janeiro até a sede da Petrobrás; O ex-presidente Luis Inácio Lula da Silva discursou no encerramento do evento. “ O […]

A multidão caminhou pelas ruas do centro do Rio de Janeiro até a sede da Petrobrás; O ex-presidente Luis Inácio Lula da Silva discursou no encerramento do evento.

“ O petróleo é o passaporte para o futuro desse país.” Lula

O evento reuniu movimentos sociais, sindicatos e parlamentares que se encontraram na Cinelândia e caminharam até a sede da Petrobrás no centro do Rio de Janeiro. O ato teve como objetivo defender a Petrobrás e o Pré-Sal contra os ataques da direita e da mídia que tentam desgastar a imagem da empresa para justificarem sua privatização, na leitura dos movimentos sociais.

O Movimento dos Atingidos por Barragens (MAB), juntamente com a Via Campesina e a Plataforma Operária e Camponesa pela Energia, trouxe seu apoio às ruas do Rio de Janeiro. O MAB, que também foi um dos organizadores do evento, esteve presente com 200 atingidos das regiões do Vale do Ribeira – SP e Cachoeira de Macacu – RJ.

“ Estamos aqui para defender a Petrobrás, para defender o petróleo e para defender a soberania do povo brasileiro. Não é a toa que muitos povos do mundo precisam fazer guerras para defender seu petróleo,” afirmou o coordenador do MAB, Leonardo Bauer.
Sobre a importância desse ato dentro do contexto eleitoral, Leonardo também destacou a importância e a necessidade da luta para defender esse patrimônio.

“Não temos dúvida do que está em jogo nesse período eleitoral. Não hesitaremos em defender, inclusive nas urnas, esse patrimônio que é do povo brasileiro. Não permitiremos que nenhuma candidatura entreguista deixe que os EUA e suas empresas levem a nossa riqueza. Lutaremos para que a Petrobrás seja cada vez mais pública e o petróleo cada vez mais do povo brasileiro”, finalizou Bauer.

Tanto as candidaturas de Aécio Neves do PSDB e Marina Silva do PSB tem visões diferentes sobre o que fazer com a Petrobrás e, consequentemente, com o Pré-Sal. A candidata Marina Silva afirma em seu plano de governo que tomará medidas na direção de reerguer a cadeia produtiva do etanol, na qual sobressaem usinas que extraem combustível a partir da cana-de-açúcar.

– Costumo dizer que o petróleo ainda é um mal necessário, destacou Marina. Temos de sair da idade do petróleo. Não é porque falte petróleo. É porque encontraremos e já estamos encontrando outras fontes de suprimento de energia.

Hoje, a produção da Petrobrás do pré-sal é de 600 mil barris/dia, e segue crescendo. Especialistas prevêem que as vendas a partir da exploração dos campos de petróleo das águas profundas possam render até mais de US$ 4 trilhões ao país nas próximas décadas.

Já o candidato à presidência Aécio Neves, do PSDB, tem planos para a Petrobrás que o povo brasileiro já conheceu na era de FHC: neoliberalismo e privatizações. O tucano afirmou em seu programa de governo que irá mudar as regras do Pré-Sal, nas quais irá prevalecer o modelo de concessão para explorar os campos de petróleo.
Existe uma grande diferença entre as propostas de Aécio e Dilma nesta questão. No regime de concessão, defendido pelo candidato do PSDB, o concessionário é o dono de todo o petróleo que produz, restando ao Estado apenas os impostos. Já no regime de partilha, defendido por Dilma, o Estado é quem controla a exploração, além de ficar com uma porcentagem do petróleo extraído.  

 A defesa do petróleo também é esteve presente na fala do coordenador nacional do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST), João Pedro Stédile. “O petróleo é do povo e deve ser utilizado em beneficio do povo. Nós viemos aqui pra dizer que o Fernando Henrique já tentou privatizar a Petrobrás e a única maneira de garantirmos que o petróleo esteja a serviço do povo é uma Petrobrás pública”, afirmou Stédile.

No fim de seu governo, FHC tentou mudar o nome da Petrobrás para Petrobrax. Dizia que, assim, a empresa teria uma identidade mais global, podendo atrair mais investidores internacionais. O plano, no entanto, foi rechaçado pela sociedade e FHC abandonou a ideia.

No fim de seu governo, quando era presidida por Henri Philippe Reichstul, a Petrobrás cedeu postos de combustíveis, parte de um campo exploratório e 30% de uma refinaria no Rio Grande do Sul, a Refap, para o grupo espanhol Repsol, em troca de ativos na Argentina às vésperas da crise cambial no país vizinho. Essa transação foi contestada judicialmente e hoje está no Superior Tribunal de Justiça, onde a então relatora determinou a realização de uma perícia. O advogado Claudio Pimentel, que lidera a ação, estima que a Petrobrás entregou US$ 3 bilhões e recebeu US$750 milhões.

No final do ato, o ex-presidente da república, Luís Inácio Lula da Silva, discursou em frente à Petrobrás ressaltando a importância de se defender a estatal neste momento em que sofre denúncias de corrupção.

– Os milhares e milhares trabalhadores desta empresa, destacou Lula, não podem serem confundidos com alguém que, por ventura, possa ter cometido um erro. Se alguém praticou o erro, se alguém roubou, esse alguém tem que ser investigado, ser julgado e, se for culpado, tem que ir para a cadeia. O povo da Petrobrás tem que ter orgulho da sua camisa.

Lula finalizou seu discurso e o ato destacando o poder do pré-sal para o desenvolvimento econômico e social do povo brasileiro:

“O petróleo é o passaporte do futuro deste país. É o que mais pode dar garantia de fazermos no século XXI aquilo que a gente não conseguiu fazer no século XX. Imagina se sem petróleo a gente já tem filho de pedreiro se formando engenheiro… filho de empregada doméstica se formando médico… Se a gente conseguiu fazer isso sem o petróleo , imagina o que podemos fazer quando estivermos tirando 4 mil barris de petróleo e exportando para o mundo inteiro,” finalizou Lula.

A Federação Única dos Petroleiros (FUP) divulgou em nota dados sobre a Petrobrás de 2002 a 2012.

“Vamos aos fatos: em 2002, a Petrobrás  valia R$ 30 bilhões, sua receita era de R$ 69,2 bilhões, o lucro líquido de R$ 8,1 bilhões e os investimentos não passavam de R$ 18,9 bilhões. Uma década depois, em 2012, o valor de mercado da Petrobrás passou a ser de R$ 260 bilhões, a receita subiu para R$ 281,3 bilhões, o lucro líquido para R$ 21,1 bilhão e os investimentos foram multiplicados para R$ 84,1 bilhão.

Antes do governo Lula, a Petrobrás contava em 2002 com um efetivo de 46 mil trabalhadores próprios, produzia 1 bilhão e 500 mil barris de petróleo por dia e tinha uma reserva provada de 11 bilhões de barris de óleo. Após o governo Lula, em 2012, a Petrobrás quase que dobrou o seu efetivo para 85 mil trabalhadores, passou a produzir 2 bilhões de barris de óleo por dia e aumentou a reserva provada para 15,7 bilhões de barris de petróleo.”

Nos últimos 8 anos, da data em que foi descoberto o pré-sal até hoje, foi extraído mais petróleo do que nos primeiros 31 anos da Petrobrás.

Confira na íntegra o discurso do ex-presidente Luis Inácio Lula da Silva:

Conteúdos relacionados
| Publicado 21/12/2023 por Coletivo de Comunicação MAB PI

Desenvolvimento para quem? Piauí, um território atingido pela ganância do capital

Coletivo de comunicação Movimento dos Atingidos por Barragens (MAB) no Piauí, assina artigo sobre a implementação de grandes empreendimentos que visam somente o lucro no território nordestino brasileiro