Via Campesina participa do lançamento do Plano Safra no RS

Nesta quinta feira (18), o governador do estado do Rio Grande do Sul, Tarso Genro, junto com secretários da área agrícola, lançará inúmeras ações que fazem parte do Plano Safra […]

Nesta quinta feira (18), o governador do estado do Rio Grande do Sul, Tarso Genro, junto com secretários da área agrícola, lançará inúmeras ações que fazem parte do Plano Safra Estadual 2013/2014 em um ato na cidade de Soledade, que contará com a participação dos movimentos da Via Campesina.

O conjunto de medidas elaboradas pelo governo estadual tem o objetivo de complementar o Plano anunciado pela União, de acordo com as necessidades do estado. Em junho, o governo federal lançou o Plano Safra 2013/2014, com R$ 136 bilhões destinados ao custeio, investimentos e comercialização da produção agrícola e pecuária do país. Ao estado, serão destinados R$ 24,8 bilhões. Este ano, a novidade será o lançamento de uma linha de trabalho para a proteção ambiental.

O que tem gerado mais expectativas nos agricultores ligados aos movimentos sociais que compõem a Via Campesina é o anuncio do Programa da Agricultura Camponesa, no qual serão investidos R$100 milhões na economia gaúcha exclusivos para produção de alimentos saudáveis, transporte, processamento, produção de insumos, criação de pontos populares de trabalho, centros de distribuição e estrutura logística.

 Este programa prevê investimentos na agricultura camponesa que vai beneficiar os agricultores que produzem alimentos no campo e os trabalhadores da cidade que irão consumir comida saudável, gradativamente sem agrotóxicos.

Estima-se o envolvimento, nos próximos dois anos (2013/2014), de 15.150 famílias camponesas vinculadas a Via Campesina com possibilidade de ampliação ao longo dos anos (MAB – 2.500 famílias; MPA 6.400 famílias; MST 5.500 famílias, MMC 700 famílias, MTD 50 famílias), e entorno de 94.000 famílias moradoras nos bairros populares e 61.000 trabalhadores metalúrgicos e da área da alimentação. Pretende-se também, ampliar a participação no Programa Nacional de Alimentação Escolar (PNAE).

Participam deste programa, além dos movimentos ligados a Via Campesina, a Federação dos Metalúrgicos do Rio Grande do Sul, o Levante Popular da Juventude, o Movimento dos Trabalhadores Desempregados (MTD) e a Federação dos Trabalhadores da Indústria da Alimentação.

Para a coordenadora do Movimento dos Atingidos por Barragens (MAB) na região, Neudicléia Oliveira, a principal lição do Programa de Agricultura Camponesa foi dada nas ruas, quando os trabalhadores do campo e da cidade se juntaram em luta e pressionaram para sua aprovação. “O resultado disso é esta conquista que beneficiará toda a sociedade gaúcha”, afirmou.

Conteúdos relacionados
| Publicado 03/07/2020 por Movimento dos Atingidos por Barragens

Trabalhadores conquistam continuidade na isenção da Tarifa Social de Energia

Governo Federal anuncia a prorrogação da Medida Provisória 950/20 por mais 60 dias

| Publicado 11/06/2020

Atingidos distribuem mais de 500 cestas básicas no Amapá



O MAB no Amapá vem organizando as comunidades atingidas e lutando por reconhecimento de direitos e compensações, pelas mortes de peixes consequências dos empreendimentos hidrelétricos no rio Araguari, no município de Ferreira Gomes

| Publicado 11/06/2020

Lutar não é crime: atingidos e atingidas em defesa dos direitos humanos!

Decisão obtida pela Vale determina proibição de manifestações nas vias de acesso à Brumadinho

| Publicado 15/07/2013

E a Celpe, hein?