Atingidos pela Vale em área de risco em Antônio Pereira (MG) conquistam remoção

Famílias atingidas na comunidade vivem risco cotidiano do rompimento da barragem de Doutor; apesar da relutância da Vale em atender a pauta, mais 30 famílias conquistam remanejamento

Mapa da área ZAS calculada pela Vale e a mancha elaborada SLR, consultoria do MP-MG, que abrange maior número de famílias.

Em 2020 a comunidade de Antônio Pereira, distrito de Ouro Preto em Minas Gerais, passou por grandes mudanças no seu modo de vida, não apenas por conta da pandemia da COVID-19, mas do risco anunciado do rompimento da barragem de Doutor da mina Timbopepa, que pertence a mineradora Vale.

A barragem foi incluída no nível 2 de emergência, em abril de 2020, desde então 73 famílias sofreram uma evacuação forçada, as que residiam dentro da Zona de Autossalvamento (ZAS), num raio de 10 km de distância da barragem. 

Em agosto, a Vale apresentou uma nova mancha de inundação, aumentou o número de famílias dentro da área de risco, porém algumas famílias que já tinham sido cadastradas, não estavam mais enquadradas na nova mancha.

A população de Antônio Pereira vive num cenário constante medo do rompimento da barragem. O medo é ainda maior para as pessoas que moram próximas à barragem e por aquelas que foram visitadas e cadastradas pela empresa e pela Defesa Civil.

Por isso, os atingidos e atingidos se organizaram em torno da pauta de remoção das famílias que desejam sair da área de risco. Além de outras pautas relacionadas aos danos referentes as obras de esvaziamento da barragem de Doutor, que vão durar oito anos: a perturbação, a poeira e o risco que o intenso tráfego de veículos trouxe à comunidade, a piora na saúde mental da população entre outras.

Manifestação dos atingidos e atingidos de Antônio Pereira fechando a MG-129 em 12 de janeiro de 2021.

A Vale apresentou relutância em cumprir as exigências dos atingidos, que se organizaram e manifestaram fechando a estrada de acesso da mineradora várias vezes no ano passado e neste mês de janeiro. Em dezembro, o Ministério Público Estadual (MPMG) protocolou na Ação Civil Pública um documento em favor das remoções, em que constava o parecer da consultoria SLR, contratada pelo órgão para averiguar o risco da barragem.

Este ano, no mês de fevereiro, a Vale acatou às reivindicações dos atingidos e mais 30 famílias conquistaram o direito de sair da área de risco. Ainda há diversas famílias que devem ser removidas, ao todo cerca de 473 pessoas já tiveram que deixar suas casas. Os atingidos permanecem na luta pelo direto á moradia digna e a reparação integral dos danos causados pela mineradora Vale na comunidade. 

Conteúdos relacionados
| Publicado 03/07/2020 por Movimento dos Atingidos por Barragens

Trabalhadores conquistam continuidade na isenção da Tarifa Social de Energia

Governo Federal anuncia a prorrogação da Medida Provisória 950/20 por mais 60 dias

| Publicado 11/06/2020

Atingidos distribuem mais de 500 cestas básicas no Amapá



O MAB no Amapá vem organizando as comunidades atingidas e lutando por reconhecimento de direitos e compensações, pelas mortes de peixes consequências dos empreendimentos hidrelétricos no rio Araguari, no município de Ferreira Gomes

| Publicado 11/06/2020

Lutar não é crime: atingidos e atingidas em defesa dos direitos humanos!

Decisão obtida pela Vale determina proibição de manifestações nas vias de acesso à Brumadinho

| Publicado 29/08/2020 por Coletivo de Comunicação MAB MG

Uma mina dentro da cidade: a nova lama invisível que atinge Barão de Cocais em MG

A cidade que foi sitiada pela mineradora Vale no dia 8 de fevereiro de 2019 por causa de uma ameaça de rompimento de barragem, agora enfrenta o risco de uma mineração dentro da área urbana

| Publicado 12/02/2021 por Coletivo de Comunicação MAB MG

Vale institui jornada de 12 horas de trabalho em minas na região de Congonhas (MG); MAB é contra

Movimento defende frente ampla para derrubar jornada de trabalho imposta pela mineradora