Brigada Lula Livre e trabalhadores da energia são expulsos de reunião no Congresso sobre venda da Eletrobras

Golpistas não aceitaram críticas à fala do Ministro da Fazenda Eduardo Guardia que colocou a Vale como modelo para a Eletrobrás privatizada. Manifestantes denunciaram que a mineradora é responsável por […]

Golpistas não aceitaram críticas à fala do Ministro da Fazenda Eduardo Guardia que colocou a Vale como modelo para a Eletrobrás privatizada. Manifestantes denunciaram que a mineradora é responsável por derramar com a Samarco 60 milhões m³ de rejeito na bacia do rio Doce.


 

Trabalhadores e trabalhadoras do setor energético de várias partes do país e movimentos sociais organizados na Brigada de Agitação e Propaganda Lula Livre foram expulsos do Congresso Nacional na tarde desta terça-feira (8) após protesto durante reunião da Comissão Especial na Câmara dos Deputados que analisa o projeto de lei sobre a privatização da Eletrobrás (PL 9463/18).

A Comissão recebeu o ministro da Fazenda Eduardo Guardia que veio defender a privatização argumentando que a venda vai capitalizar a empresa para novos investimentos, trazer ganhos de eficiência e diminuir a tarifa de energia na transmissão. O ministro apresentou a Embraer, a Vale e conglomerados que controlam bolsas de valores como corporações que devem ser exemplos para a Eletrobras privatizada. 

Os presentes se manifestaram ao final da fala do ministro denunciando as mentiras ditas e já repetidas também pelo presidente da empresa Wilson Ferreira, o mesmo que autorizou o gasto de 2 milhões de reais para a estatal fazer publicidade negativa de si mesma.

Os manifestantes vaiaram o ministro e aos gritos de “golpistas” e a “Vale matou o rio Doce” denunciaram que a mineradora, “modelo de eficiência” e responsável pelo maior crime ambiental do país, é unicamente exemplo de morte e violação de direitos. O presidente Hugo Mota (PRBPB) não aceitou os protestos e, afirmando que o ministro foi desrespeitado, expulsou os manifestantes do plenário. 

Houve tensão entre os integrantes da Brigada Lula Livre, trabalhadores e a guarda legislativa que coagiu a saída dos presentes. Somente imprensa, assessores e parlamentares foram autorizados a ficar. Após resistir a expulsão, os manifestantes saíram aos gritos de “golpistas”, “fora temer” e “água e energia não são mercadorias.”

“Este foi mais um ato de autoritarismo deste estado de exceção. Apenas manifestamos nossa indignação contra o cinismo deste governo que apresenta a Vale, que já foi eleita a pior empresa do mundo em 2011, como modelo para a Eletrobras. E o presidente ainda vem mentir dizendo que a tarifa vai cair, sendo que eles já foram desmentidos pela própria ANEEL”, comenta um dos manifestantes.

Segundo o Estado de São Paulo, um novo ofício do órgão foi assinado pelo diretor-geral da agência reguladora, Romeu Rufino, na sexta-feira (4) em resposta à consulta feita pela senadora Vanessa Grazziotin (PCdoB-AM). No mês passado, o diretor já havia se posicionado sobre as 158 emendas à MP 814 que tramita no Senado. Agora, a manifestação avalia as sugestões acatadas pelo relatório do deputado Júlio Lopes. 

A agência reforça a posição de que essa atualização resultará na transferência ao consumidor do custo de R$ 2,1 bilhões por ano.

A MP 814 também foi discutida hoje no Senado Federal e a sessão foi adiada duas vezes também por causa da atuação da oposição, da Brigada Lula Livre e dos trabalhadores da energia. 

O governo federal atua atropelando os debates, modificando artigos polêmicos sem respeitar os intervalos dados pela presidência para avaliar as propostas. As mudanças, por exemplo, tiram 8 milhões de pessoas da tarifa social. A reunião dos senadores continua amanhã às 9h da manhã. Os deputados continuam as discussões na Câmara às 14:30h já com a leitura do relatório do deputado José Carlos Aleluia (DEMBA).

Trabalhadores e trabalhadoras da energia e movimentos sociais organizados na Brigada Lula Livre continuam acompanhando todos os debates. A Brigada de Agitação e Propaganda que atua em Brasília denuncia a prisão arbitrária do presidente Lula dialogando diretamente com a população sobre os efeitos do golpe de estado e a necessidade de informar e organização o conjunto dos trabalhadores para fazer frente aos efeitos do golpe e ao estado de exceção. 

Integram a Brigada o Movimento dos Atingidos por Barragens (MAB), Movimento dos Trabalhadores Rurais sem Terra (MST), Movimento Camponês Popular (MCP), Movimento dos Pequenos Agricultores (MPA), Movimento pela Soberania Popular na Mineração (MAM) e o Levante Popular da Juventude.

Conteúdos relacionados
| Publicado 21/12/2023 por Coletivo de Comunicação MAB PI

Desenvolvimento para quem? Piauí, um território atingido pela ganância do capital

Coletivo de comunicação Movimento dos Atingidos por Barragens (MAB) no Piauí, assina artigo sobre a implementação de grandes empreendimentos que visam somente o lucro no território nordestino brasileiro