MAB em marcha em defesa das águas do semiárido

Atingidos do Semiárido Mineiro ocupam a BR 251 em protesto às monoculturas e o projeto de “desenvolvimento” em curso na região, que degrada os mananciais e causa inúmeros conflitos fundiários […]

Atingidos do Semiárido Mineiro ocupam a BR 251 em protesto às monoculturas e o projeto de “desenvolvimento” em curso na região, que degrada os mananciais e causa inúmeros conflitos fundiários com os camponeses e populações tradicionais. Atividades regionais fazem parte do início do Fórum Alternativo Mundial das Águas (FAMA), que acontece em Brasília, entre os dias 17 e 22 de março.

Cerca de 300 atingidos da bacia do rio Jequitinhonha e Alto Rio Pardo, organizados no Movimento dos Atingidos por Barragens (MAB), denunciam a expansão das monoculturas de eucalipto, mineração e termoelétrica. Além das violações de direitos humanos causados por grandes empresas que se instalam na região e agravam a situação de vulnerabilidade social nas comunidades.

“Com a falsa promessa de trazer empregos e desenvolvimento para a região, há décadas o seminário vem sofrendo com estes projetos de “desenvolvimento” pautado em garantir o lucro das empresas à custa da qualidade de vida do povo e do Cerrado, e assim acabando com as águas dos gerais”, denuncia representante do MAB na região.

Entre as demandas da população está a suspensão imediata na SUPRAM dos licenciamentos ambientais em curso que degradam o cerrado e a vida do povo no semiárido (TermoIrapé, Mineração de ferro da SAM), mineração de Litio em Araçuaí. Assim como o fim da expansão das áreas de plantio das monoculturas de eucalipto no semiárido mineiro e a grilagem de terras.

Os atingidos cobram do governo estadual a regularização fundiária e demarcação do Território Geraizeiro de Vale das Cancelas. E também a aprovação do projeto de lei 3312/2016 – Política Estadual dos Atingidos por Barragens (PEAB), que está parado na Assembleia Legislativa de Minas Gerais, para garantia do direito dos atingidos por barragens e grandes obras no estado.

Por fim, exigem políticas públicas de abastecimento de água e energia para as comunidades atingidas por barragens, como forma de compensação dos passivos sociais causados pelas empresas.

Os atingidos e atingidas por barragens, em Minas Gerais, organizados no MAB, vão para o Fórum Alternativo Mundial da Água (FAMA) denunciar a falta de acesso a água de várias comunidades sofrem e o descaso de grandes empresas internacionais. “O FAMA traz para a população brasileira o debate sobre o quanto grandes corporações internacionais utilizam de nossa água com abuso e descaso. E, principalmente, o quanto precisamos combater essas práticas no nosso País, além de defender nossas riquezas”, ressalta representante do Movimento dos Atingidos por Barragens (MAB).

Conteúdos relacionados
| Publicado 21/12/2023 por Coletivo de Comunicação MAB PI

Desenvolvimento para quem? Piauí, um território atingido pela ganância do capital

Coletivo de comunicação Movimento dos Atingidos por Barragens (MAB) no Piauí, assina artigo sobre a implementação de grandes empreendimentos que visam somente o lucro no território nordestino brasileiro