Arpilleira das atingidas participa de exposição na Irlanda do Norte

Ao lado de outras 29 peças têxteis, a arpillera “Onde estão nossos direitos?” confeccionada coletivamente pelas mulheres do MAB, participou da exposição “Registros Têxteis dos Conflitos”, no marco da Conferência […]

Ao lado de outras 29 peças têxteis, a arpillera “Onde estão nossos direitos?” confeccionada coletivamente pelas mulheres do MAB, participou da exposição “Registros Têxteis dos Conflitos”, no marco da Conferência Internacional “Registros do Conflito: Histórias Registradas Digitalmente para a construção da Paz”, que aconteceu em Belfast (Irlanda do Norte) nos dias 17 e 18 de novembro.

A exposição, segundo a curadora, Roberta Bacic, trouxe à conferencia os testemunhos dos impactos dos conflitos e abusos de direitos humanos expressados nas suas várias dimensões e em vários cantos do mundo, através da arte têxtil e acompanhados por lembranças, objetos da vida cotidiana que fazem parte da história dos conflitos, como o lenço das “abuelas de La plaza de Maio” na Argentina.  Fizeram parte da exposição, junto com a arpillera brasileira das atingidas, peças confeccionadas na Irlanda do Norte, Inglaterra, Espanha, Chile, Peru, Argentina, Afeganistão, Palestina, Zimbawe, África do Sul, Alemanha, Canada e Colômbia.

Segundo a curadora, a importância destes testemunhos têxteis está na necessidade de inventar, criar e usar linguagens que ajudem a expressar fatos muitas vezes impossíveis de se contar com palavras: “Usando principalmente agulha, linha e retalhos de tecido, mulheres, e alguns homens, trabalhando em grupo ou individualmente, durante longas horas e muitas vezes de forma clandestina, na sua ardente procura por apresentar ao mundo as suas experiências vividas sobre o conflito. As peças têxteis nos trazem histórias de desaparições, execuções forçadas, tortura, resistência, exílio forçado e perda dos seres queridos. No meio de todo este sofrimento emergem também a solidariedade, a resistência e o retorno”.

As mulheres do MAB, seguindo esta lógica, tem iniciado um projeto, com apoio da União Européia e as organizações austríacas H3000, DKA e Frei So Frei, para através da técnica têxtil das arpilleras, registrar e visibilizar as violações de direitos que sofrem, vítimas do atual modelo de planejamento, implantação e operação de barragens.

Nas palavras da curadora, Roberta Bacic, que tem assessorado este processo, as arpilleras trazem o que não pode ser contado com palavras, e ajudam as mulheres a articular a sua própria história, virar sujeitos e desafiar o público a refletir sobre estes constrangedores testemunhos, e porquê não, fazer alguma coisa à respeito.

Fotografias das peças em exibição podem ser vistas, e copiadas com os créditos, no seguinte link: http://cain.ulst.ac.uk/quilts/exhibition/2014-11-17_Belfast/Textile-accounts-of-conflicts.pdf

Conteúdos relacionados
| Publicado 21/12/2023 por Coletivo de Comunicação MAB PI

Desenvolvimento para quem? Piauí, um território atingido pela ganância do capital

Coletivo de comunicação Movimento dos Atingidos por Barragens (MAB) no Piauí, assina artigo sobre a implementação de grandes empreendimentos que visam somente o lucro no território nordestino brasileiro