Com ato em Belo Horizonte, atingidos iniciam marcha de denúncia de 1 ano do crime em Brumadinho

Com o lema “A Vale destrói, o povo constrói”, população afetada por rompimentos de barragens pede justiça Foto: Guilherme Weimann Nesta segunda-feira (20), atingidos por barragens participaram de um ato […]

Com o lema “A Vale destrói, o povo constrói”, população afetada por rompimentos de barragens pede justiça


Foto: Guilherme Weimann

Nesta segunda-feira (20), atingidos por barragens participaram de um ato em Belo Horizonte (MG) para dar largada à “Marcha dos Atingidos: 1 ano do crime da Vale em Brumadinho”.

A caravana, que vai durar seis dias, começa pelo município de Pompéu, no interior do estado, e chega até a região metropolitana de BH, passando por Juatuba, Citrolândia, São Joaquim de Bicas e Betim. No sábado (25), data em que a tragédia completa um ano, haverá atos e atividades de homenagem às vítimas durante todo o dia no Córrego do Feijão (comunidade onde houve o rompimento) e no centro da cidade de Brumadinho.

Cerca de 350 atingidos das bacias do Rio Doce e Paraopeba marcharam até a sede do Tribunal de Justiça de Minas Gerais para denunciar a omissão do TJMG em fazer justiça aos atingidos pelos crimes da mineração no estado.  

“A equipe da Vale esteve na minha casa e comprovou que eu estou dentro da quilometragem atingida. Até hoje, eu não consegui ter nenhum comprovante de endereço, nem mesmo no posto de saúde, faz cinco anos que moro no Vale do Sol. Estou desempregada, não sei mais o que fazer com isso”, explica a atingida Maria Oricedina.

De acordo com Joceli Andreoli, da coordenação nacional do MAB, o movimento pede o reconhecimento da população afetada, contratação de Assessorias Técnicas independentes (que são equipes de profissionais que produzem informações qualificadas para os atingidos), reparação integral dos crimes e participação popular nas negociações.

Após protocolar um ofício com reinvindicações dos atingidos, o ato seguiu para a sede da Agência Nacional de Mineração (ANM), onde foi destacada a importância de mudança no modelo exploratório da mineração no país.

“Queremos denunciar o padrão de violação de direitos humanos nos grandes empreendimentos, morreram mais de 300 pessoas nos últimos quatro anos, entre Mariana e Brumadinho”, explica Soniamara Maranho, da coordenação do MAB.

Dentre os temas de denúncia do crime na bacia do rio Paraopeba, a marcha propõe debater ainda: a questão das perdas econômicas nas cidades dependentes do rio; o surgimento de doenças (de pele e problemas gastrointestinais, além do aprofundamento da problemática com relação às doenças mentais); a poluição do rio com os rejeitos da lama tóxica; a continuidade das buscas dos 11 corpos das vítimas que ainda não foram encontradas.

Conteúdos relacionados
| Publicado 03/07/2020 por Movimento dos Atingidos por Barragens

Trabalhadores conquistam continuidade na isenção da Tarifa Social de Energia

Governo Federal anuncia a prorrogação da Medida Provisória 950/20 por mais 60 dias

| Publicado 11/06/2020

Atingidos distribuem mais de 500 cestas básicas no Amapá



O MAB no Amapá vem organizando as comunidades atingidas e lutando por reconhecimento de direitos e compensações, pelas mortes de peixes consequências dos empreendimentos hidrelétricos no rio Araguari, no município de Ferreira Gomes

| Publicado 11/06/2020

Lutar não é crime: atingidos e atingidas em defesa dos direitos humanos!

Decisão obtida pela Vale determina proibição de manifestações nas vias de acesso à Brumadinho

| Publicado 19/01/2020

Vale da morte